29/11/16

ASSISTENTES OPERACIONAIS ATÉ QUANDO?


Trabalhar muitas horas seguidas, sem o devido e merecido tempo de descanso, não significa que a pessoa produza mais. E o trabalhador que aceita trabalhar muitas horas, pensando apenas no dinheiro extra que vai depois receber, nem sempre compreende e muitas vezes critica aqueles colegas que trabalham as horas normais e não vão mais além de dois, três turnos a mais. Só pelo facto de recusarem um sem número de turnos e considerarem que há mais vida para além do trabalho, estes trabalhadores são rotulados pelas chefias e por alguns colegas, como pouco empenhados, e  que não se esforçam.
   No que diz respeito aos hospitais do Serviço Nacional de Saúde, a falta de recursos humanos é cada vez mais preocupante.
   A falta de Assistentes Operacionais está à vista de qualquer pessoa que entre num hospital. Observe o que se vai passando, por exemplo, nos serviços com doentes internados. Ou pergunte aos assistentes operacionais desse serviço quantas horas a mais estão a trabalhar, a hora a que entraram e a hora a que vão sair, há quantos dias não têm um dia de descanso ou há quantas semanas não têm um domingo livre para estar com a família.
  Conheço muitos assistentes operacionais que estão cansados, descontentes, desmotivados e amarrados a horários sobrecarregados. E a realidade é que não estão a contratar mais profissionais, optando por alterar os horários de trabalho e sobrecarregar os poucos que estão.
   O grave desta situação é que as ordens vêm de cima, os encarregados aceitam e impõem aos assistentes operacionais turnos de 13 horas consecutivas, permitem que se inicie o turno ao princípio da tarde e entre pelo turno da noite, saindo do trabalho às 8 horas da manhã do dia seguinte. Quando estas ordens vêm de cima e enquanto as chefias intermédias as acatarem sem se importarem com o cumprimento das leis laborais, o problema não será resolvido.
   Eu não acredito que quem trabalha 13 horas consecutivas ou quem trabalha tarde e noite seguido, seja sinónimo de mais produção e melhor desempenho nas diversas tarefas a executar durante essas horas de trabalho. Se estes atropelos acontecessem esporadicamente porque ocorreu uma tragédia, uma situação grave e inesperada, como a morte de um familiar, até admito tantas horas de trabalho. Fora dessas situações, eu a estes horários de trabalho comparo-os a uma prática de “escravidão”.
   E preocupante é a passividade com que muitos assistentes operacionais aceitam e continuam a trabalhar nestas condições. Se isto não bastasse, este grupo de profissionais recebem baixos salários, as carreiras estão paradas e não têm o seu devido registo na Autoridade Nacional de Qualificações, não existindo portanto, a profissão de Assistente Operacional (área da saúde) e a de Técnico Auxiliar de Saúde está por homologar pelo Ministério da Saúde.
   Até quando, meu Deus, vamos trabalhar assim?

9 comentários:

Fernando Barroso disse...

Infelizmente estamos todos (todos os grupos profissionais da saúde) a trabalhar horas a mais. E um dia a factura vai chegar, se é que não chegou já.

dalila teixeira disse...

Os assistentes operacionais são pau PA toda a colher.. servem para fazer o que os outros não querem e não o que lhes está estipulado.. São criados de toda a gente.. É a classe mais escravizada a nível monetário e emocional..

josnumar disse...

Apesar da criação do curso Técnico Auxiliar de Saúde em 2010, nada mudou na carreira dos Assistentes Operacionais. A carreira não existe.As pessoas que terminam os cursos de TAS, quando encontram trabalho num hospital, passado uns tempos dão-se conta que afinal TAS não lhes dá mais do que o que têm os actuais Assistentes Operacionais.

Bento disse...

Eu nao tenho prazer em fazer turnos de8 ou 9h00 sem pausas .... Faço porque tenho medo de caso precise de algo me castiguem ou prejudiquem.

http://amdstcp.blogspot.pt

Anónimo disse...

Que nos colocam a fazer turnos extras na escala sem perguntarem se podemos fazer ou não! Que nos colocam um dia de folga mas temos de ir fazer noite ( entrar ás 23h ainda no dia da nossa folga )será que é justo? Quanto mais fazemos mais exigem,não nos valorizam nada, é revoltante a miséria de salário que nos pagam!Todos juntos podemos fazer algo por nós Auxiliares de Acção Médica.

Anónimo disse...

Então para completar que acham de estar a 19 anos no amadora sintra com o ordenado mínimo?um caso a pensar


Anónimo disse...

Os assistentes operacionais mas o que é isso menina kkkk e o que dizem alguns doentes ao qual eu respondo, hora aí está uma boa pergunta a qual não sei a resposta.sao me exigido tarefas k não ao meu ver não me competem não tenho formação para o fazer,tal como preparar uma mesa para colocar um cateter central, como repor material montar material, etc etc etc. Fora os banhos k temos k dar a pessoas acamadas e ventilada sozinhas.posicionar e mudar fraldas sozinhos e mais não digo, já amei o que faço mas hoje em dia com 15 anos de profissão estou farta de ser pisada por todos não amo mais o k faço com MT pena minha vou sair desta dita profissão ou seja escravatura.

Unknown disse...

Pois é colegas concordo com tudo o que dizem tb o sinto na pele,mas deixem-me dizer que tudo o que poder fazer pra mudar nao baixo os braços.
Gosto do que faço não é pelo extraordinário ordenado que me pagam,mas so faco o que devo, chega de escravidão.turnos seguidos tb ja fiz primeiro porque o serviço precisava e depois porque tb precisei, turnos de 12 horas nem um quando saiu o horário informei a chefe que nao o fazia,é contra as horas estipuladas pro trab,ameaçaram,temos pena eu ainda la estou. Na luta ninguém ia hoje trab sempre a mínimos em greves,manifestações estamos la todos, a nossa classe é muito mal paga e qualquer dinheiro desperdiçado faz falta, mas ja pensaram no dinheiro que eles põem no bolso com o nosso trab cortam nos horas que deviam pagar e ainda as gozamos quando eles querem se é que as gozamos,e ainda pagam reformas de 200 e poucos € com outros a receber milhares.
Colegas a união faz a forca e nos é que temos de lutar tem exemplos auto europa ordenados de mil e tal euros para o pais porque nao podem trab ao sab e nos,sab domingos feriados noites quando e que je juntam

Sozinhando & Divagando disse...

Estou no Reino Unido a trabalhar na area. Sei que é real e quem de direito deveria por fim a estas situacoes pura e simplesmente ignora porque vivem "acima" ... Até um dia claro. Entretanto vamos sobrevivendo da forma que descreve.