14/03/16

A PACIÊNCIA TAMBÉM ACABA

 

 Nestes últimos tempos, as condições de trabalho e as relações com os superiores hierárquicos dos assistentes operacionais, que trabalham nos hospitais portugueses, estão a tornar-se cada vez mais frágeis e este grupo profissional começa a dar sinais de algum cansaço físico, psicológico e emocional.
   Todos os meses enfrentam os mesmos problemas e começam logo pela elaboração dos horários de trabalho. Ao contrário do que lhes é transmitido, é raro o mês em que um horário de trabalho seja concluído em tempo normal, ou seja, a primeira versão do horário, a maior parte das vezes, chega às mãos dos assistentes operacionais lá para o dia 24, 25 ou até no último dia do mês precedente. Ora este atraso acarreta algumas dificuldades para que os assistentes operacionais tenham tempo de organizar a suas vidas particulares e familiares de acordo com a sua vida profissional. E como só têm conhecimento das escalas quase no final do mês, por vezes, uma toca de turno torna-se difícil de concretizar e os responsáveis da elaboração dos horários vêem-se incapazes de satisfazer as necessidades de quem precisa de trocar o horário.
   Estamos a viver uma época em que se faz ( e não se devia fazer ), e não se faz ( mas deveriam fazer ) e se desfaz ( aquilo que não deviam desfazer ), nos nossos hospitais portugueses. Nenhum trabalhador gosta de ser ignorado, seja por quem for, muito menos por aqueles que têm a missão de incentivar, motivar e apoiar nos bons e nos piores momentos vividos durante a jornada de trabalho.
   Sabemos todos que a nossa carreira está por regulamentar, que os nossos salários são dos mais baixos do país, que nos prometeram uma solução em relação à transição de assistentes operacionais para Técnicos Auxiliares de Saúde. Promessas apenas e só promessas! Os assistentes operacionais continuam a trabalhar e o Ministério da Saúde nada diz, nada faz.
   Começa a ser preocupante a desmotivação de alguns dos nossos colegas e está na hora de voltar a reivindicar o direito a uma carreira profissional regulamentada, a uma verdadeira mudança organizativa e salarial dos actuais assistentes operacionais que exercem as suas funções ao serviço da saúde, nomeadamente nos hospitais e centros de saúde do nosso país. 

14 comentários:

Anónimo disse...

VIDA DE AUXILIAR É MUITO DESGASTANTE: Estou totalmente de acordo, desde o médico ao assistente operacional , é que se faz uma equipe , porque sem nós os trabalhos não se realizam , somos os mais pequenos , mais mal pagos ,mas os que estão ALI para tudo ,vai a correr há farmácia ,vai a correr levar este sangue , vai a correr buscar o CD para o médico ver ,etc etc lol ....olhem por nós e respeitem-nos POR FAVOR ,SOMOS HUMANOS COMO TODOS!!!

sonia santos disse...

E, infelizmente, os problemas dos auxiliares não se ficam por ai. Vai desde o desgaste laboral por trabalharem muitas vezes semanas a fio só com uma folga por semana, ao facto de alguns serem obrigados a gozar uma hora de almoço da qual muitas vezes mal conseguem usufruir porque o serviço exige a sua presença. No entanto, verifica-se que outros funcionários que almoçam dentro do horário laboral, se dão ao luxo de se ausentar do local de trabalho. INJUSTO, DISCRIMINATÓRIO Um enfermeiro que trabalhe na área oncológica ou de psiquiatria tem direito a acréscimo de cinco dias de ferias derivado do desgaste psicológico associado a estas especialidades, no entanto, o auxiliar não. Deduzimos portanto, que o auxiliar não sofre qualquer desgaste. Mais uma vez: INJUSTO, DISCRIMINATÓRIO. Alguns auxiliares não tem tempo destinado para passar o turno aos colegas, tendo de ficar ate depois do horário de saída para o poder fazer, caso contrario quem sofre e o doente. Portanto, todos os dias, o auxiliar vai dando tempo a casa. Esse tempo nunca volta e o agradecimento não existe.

Poderia continuar, pois ainda haveria muitos pontos a focar, mas fica apenas uma amostra das injustiças sofridas por uma classe desvalorizada.

Laurinda S. disse...

Estou desiludida com a minha profissão,mais do que nunca. Sou sócia fundadora da ASSOCIAÇÃO, E DURANTE ESTES ANOS NADA TENHO VISTO A NÃO SER PROMESSAS!
Retiraram-nos a Carreira, passamos a ganhar o ordenado mínimo. Quando eu comecei a trabalhar o ordenado de Auxiliar era mais ou menos, 5000$ acima do ordenado mínimo. Neste momento ha colegas que estavam na posição remuneratória entre o 1 e o 2 e passaram a ganhar o ordenado minimo e passaram ao escalão 1. Acho humilhante e altamente desmotivador para um trabalho cada vez mais exigente e desvalorizado. Precisamos do dinheiro e temos que nos sujeitar. Trabalhamos Há 20 anos e continuamos na estaca ZERO.
Que é feito da Associação que diz representar-nos?.. Tento telefonar, ninguém atende.nada é comunicado regularmente aos sócios. Pago sempre as minhas quotas e sinto-me no direito a ser mais informada. Afinal o que se passa? HÁ NEGOCIAÇÕES COM O GOVERNO OU NÃO?
DIGAM ALGUMA COISA!!!

Anónimo disse...

Como em todas as pirâmides á uma base e depois todos os passos até chegar ao como,nós assistentes operacionais estamos na base, outros profissionais de saúde estão um pouco mais acima e outros estão no cume o que eles não se aperceberam(ou não querem)é se a base não for sólida e cair tudo acima dela vai,nos,somos uma parte fundamental nestas equipas,só assim eles conseguem também fazer o seu trabalho com sucesso! NUNCA SE ESQUEÇAM QUE SOMOS UMA EQUIPA,portanto temos direito ao mesmo respeito que de nós exigem

Anónimo disse...

Imagem muito ilucidativa!...

Anónimo disse...

Ninguém tem dúvidas que os AO´s são imprescindíveis nos serviços de saúde, mas como alguém dizia anteriormente os salários são baixos em relação ao trabalho que fazem.
A culpa é de todos os AO´s, organizem-se e lutem por melhores salários.
Façam greve, parem e vão ver a confusão que vai dar, verdade verdadinha, os enfermeiros e médicos devem ganhar mais que um AO, mas os serviços sem AO´s não funciona bem, dará confusão, nenhum serviço hospitalar funciona bem sem os AO´s.
Por isso digo mais uma vez, organizem-se, exigam mais salários, façam greve, parem.

Onde está o vosso sindicato?

20.11.16
Anónimo Anónimo disse...
Estou de acordo com o comentário anterior.

TUDO À GREVE

O sindicato dos técnicos auxiliares de saúde NÃO VALE NADA.

Se baixarem os braços serão mais espezinhados, quanto mais se baixam mais se lhes vê o cu.

Talvez não tenham sindicato, é o momento para o criar, exigir já novas condições, lutem por aquilo a que têm direito.

TUDO À GREVE JÁ

20.11.16

Anónimo disse...

Ninguém tem dúvidas que os AO´s são imprescindíveis nos serviços de saúde, mas como alguém dizia anteriormente os salários são baixos em relação ao trabalho que fazem.
A culpa é de todos os AO´s, organizem-se e lutem por melhores salários.
Façam greve, parem e vão ver a confusão que vai dar, verdade verdadinha, os enfermeiros e médicos devem ganhar mais que um AO, mas os serviços sem AO´s não funciona bem, dará confusão, nenhum serviço hospitalar funciona bem sem os AO´s.
Por isso digo mais uma vez, organizem-se, exigam mais salários, façam greve, parem.

Onde está o vosso sindicato?

20.11.16
Anónimo Anónimo disse...
Estou de acordo com o comentário anterior.

TUDO À GREVE

O sindicato dos técnicos auxiliares de saúde NÃO VALE NADA.

Se baixarem os braços serão mais espezinhados, quanto mais se baixam mais se lhes vê o cu.

Talvez não tenham sindicato, é o momento para o criar, exigir já novas condições, lutem por aquilo a que têm direito.

TUDO À GREVE JÁ

20.11.16

Anónimo disse...

Concordo com tudo o que foi dito também sou AO mas reparo que quando á greva para lutar por qualquer coisa grande parte dos AO não fazem greve ou porque dizem que lhes faz falta o dinheiro, ou que o responsável do serviço diz olha que estás a contrato e podes ir para a rua que és contratada, não tenham medo pois o sindicato também colabora com quem não é sócio.
E mais, quando mandam um AO fazer serviços que não lhes compete já não têm problemas dizem faz que eu responsabilizo-me, é só treta a responsabilidade dessas pessoas é nula.
Resumindo e concluindo que quiserem alcançar os vossos fins façam greve, os AO atualmente estão melhores porque os do meu tempo com as greves é que conseguiram algumas benesses pensem nisto. LUTEM, SÒ ASSIM ATINGEM melhores condições de vida felicidades bem hajam.

Anónimo disse...

Sim se não exigirem mais do vosso sindicato ou se não se impuserem de uma forma mais musculada,qualquer dia nem a Vossa saúde vos restará... E depois dizem que são os A.O(s) os culpados,pois ninguém lhes pediu nada! Ou então dizem que os O.P não se organizam no trabalho,etc,etc... Daqui a pouco ainda vos tiram s pausa de irem comer,isto é qualquer dia ficam sem mesmo nada... Avancem.

Anónimo disse...

Sim se não exigirem mais do vosso sindicato ou se não se impuserem de uma forma mais musculada,qualquer dia nem a Vossa saúde vos restará... E depois dizem que são os A.O(s) os culpados,pois ninguém lhes pediu nada! Ou então dizem que os O.P não se organizam no trabalho,etc,etc... Daqui a pouco ainda vos tiram s pausa de irem comer,isto é qualquer dia ficam sem mesmo nada... Avancem.

joaquim pedro silva disse...

pois temos toda a razao mas nas urgencias temos dias em que ao passar o turno so saimos perto das 8h30 depois de uma noite intensa de trabalho cada vez mais nao percebo o que se passa ja que somos assistentes operacionais nao temos carreira mas somos solicitados a pertencer a empresa que faz a limpeza por isso e outras situaçoes e que todos os governos nao se preocupao comnosco pois na urgencia como nas outras emfermarias somos muito mais do que aquilo que querem que nos sejamos

Anónimo disse...

penso que as coisas nao se resumem tudo a greves se os AO fizessem so as suas funções e não andassem sempre a fazer o que não lhes compete so para ficarem bem vistos já era um bom começo muitas das vezes fazem o serviço de outros profissionais e depois andam a correr e por vezes deixam para o colega seguinte o que deviam ter feito .
Se começarmos por ai já e um grande passo para a nossa carreira

Anónimo disse...

de facto a referida Associação das AO, cobra as quotas e não se vê nada, que é feito das contas aos sócios, o que fazem...férias e jantares???!!!

SITAS disse...

Está formado um novo sindicato! o SITAS - Sindicato Independente dos Técnicos Auxiliares de Saúde!
Fundado por e para os Assistentes Operacionais da saúde, sem partidos políticos por trás, sem truques nem malabarismos políticos.
Vai exigir a nossa integração na carreira da saúde, já que pertencemos à classe de serviços gerais do estado, e reconhecido o nome da mesma como Técnicos Auxiliares de Saúde.
Entregou uma petição com quase 5.000 assinaturas na Assembleia da República - aguarda-se pela decisão da comissão da saúde em relação à mesma.
Tem defendido em diversas unidades hospitalares os seus associados no legitimo e mais que justo direito no cumprimento de horários legais; tem desde que está no terreno (desde o inicio de fevereiro).
Mais que fazer ou promover greves, há que antes de tudo elaborar o que nos faz falta: Acordo Coletivo de Trabalho - está a ser já elaborado!
Antes de promover greves, que apenas nos tiram o parco salário que auferimos, que transmite ao comum português apenas e só a vontade de não trabalhar e de aproveitar a greve para antecipar o fim de semana, temos o dever de colocar todas as nossas forças no sentido de fazer cumprir a atual legislação laboral... e há tanto para fazer nesse sentido...! Os horários abusivos, com turnos de 13 e 14 horas são uma realidade que temos vindo a tratar aos nossos associados! Há que fazer cumprir a lei, custe a quem custar, mas recusamos a condição de escravidão que sentimos na pele.
Exigimos o respeito das outras classes profissionais com quem trabalhamos e da equipa multidisciplinar da qual também fazemos parte!
Precisa de mais associados, não para pagar aos seus dirigentes que trabalham afincadamente sem qualquer tipo de retribuição, mas para garantir que possui representatividade quando estiver reunido com a tutela.
Quanto ao reconhecimento da nossa classe como sendo Técnicos Auxiliares de Saúde, iremos até às últimas consequências, nem que isso signifique apelar ao Tribunal Europeu! Afinal de contas o nosso estado não está a cumprir com a diretiva comunitária que o obrigou a criar e aprovar esta mesma denominação!Não somos nem mais nem menos que os outros - somos diferentes e esperamos sinceramente que num ano façamos mais que outros tentaram nestes anos todos e não conseguiram... Privilegiamos um diálogo sem forças partidárias pelo meio! Sabemos melhor que ninguém o que precisamos, o que queremos e as dificuldades com que nos deparamos no dia a dia do nosso trabalho! Somos um sindicato totalmente dedicado à nossa classe profissional!
Visitem: www.sitas.pt - faz-te sócio e faz parte desta mudança - da nossa mudança!